Lucinda Ferreira: "Quanto esperei por ti!"

LucindaFerreiralivPor: José d’Encarnação

 

Cruzava-me com a Dra. Maria Lucinda Pereira Ferreira quando à Faculdade de Letras de Coimbra foram atribuídas, como remendo, as velhinhas instalações de parte do Hospital «Velho». Era, então, assistente convidada, responsável pelo Ensino de Língua e Cultura Portuguesa para Estrangeiros, e eu tinha lá o «meu» secretariado ERASMUS. Trocámos impressões amiúde e daí nasceu uma amizade que se tem prolongado vida afora, mesmo após ambos nos termos aposentado.

 

 

 

LucindaFerreira16Retomámos os contactos quase diários recentemente, a propósito do seu primeiro romance, Quanto esperei por ti!, editado pela Palimage e a ser apresentado no próximo dia 10 de Dezembro (sábado), em Coimbra, a partir das 15 horas, no Pavilhão Centro de Portugal (Parque Verde da Cidade), estando prevista, pelo menos, mais uma apresentação no dia 15, pelas 18 horas, no Hotel da Música, Mercado do Bom-Sucesso, à Boavista, Porto, também com a presença da autora, estando aí a apresentação da obra a cargo do Dr. Manuel Henrique Proença.

Tive, então, curiosidade em saber um pouco mais do seu percurso. E, confesso, pasmei perante o que li, não apenas na extensa entrevista publicada a 25 de Novembro pelo jornal conimbricense O Despertar (p. 11), mas pelas inúmeras actividades a que se tem dedicado, tanto no estrangeiro como em Portugal, inclusive em colectividades. Fundou, por exemplo, em 1982, o Coro dos Pequenos Cantores de Coimbra; organizou o Grupo Telarmonia de Pintura; exerceu cargos nos órgãos sociais dos Bombeiros Voluntários de Coimbra…

Antes vir dar o seu apoio à Faculdade de Letras, teve a sina – como tantos!... – de percorrer o País, sendo colocada aqui e além, conforme ‘determina’ o inefável sistema de colocação de docentes do Ensino Básico e Secundário, que todos bem conhecemos e repudiamos, mas não há nada a fazer. A Dra. Lucinda também não lutou contra o status quo – mais forte que alicerce de ponte romana – e fez das tripas coração. A prová-lo estão as distinções que foi recebendo e os prémios com que foi galardoada, de que registo: o Diploma e a Medalha de Ouro de Mérito Municipal na área do Ensino, outorgado pelo Município da sua terra natal, Vila Nova de Poiares; diploma de Mérito Cultural da Casa da Cultura de Ponta Delgada (Açores); diploma de Mérito Cultural da Câmara Municipal de Olhão, além de várias menções escritas de reconhecimento oficial pelo trabalho desenvolvido na área da Educação, uma das quais em Poitiers. De resto, a Dra. Lucinda não se privou de viajar: Londres, América Central, Japão, USA, Canadá, França, Macau, Brasil… locais onde fez conferências e chegou a colaborar activamente na Comunicação Social (escrita, radiofónica e televisiva).

Largas e mui ténues pinceladas, estas, da vida de uma dinâmica docente, de perfil discreto, que ora, mais profundamente, vamos apreciar como escritora. Em Quanto Esperei por Ti, Lucinda Ferreira convida-nos a partir à descoberta da história de Clara, a protagonista, e dos sabores, dos cheiros, da paisagem e das tradições de Trás-os-Montes, cenário onde se desenrola toda a história.

Reza o texto de apresentação distribuído:

«Uma obra a não perder, interessante e cuidada, rumando a uma peregrinação interior, em que todo o leitor se poderá rever. Análise profunda da densidade das suas personagens, plenas de introspecção poética, de uma dramaticidade sem hipérbole e nas quais aflora um erotismo contido e elegante».

Sendo o primeiro romance da autora, há aqui, naturalmente uma dúvida, antes de abrirmos o livro: vamos assistir ao encontro de Clara com o amado por quem tanto esperou e pronto; ou, ao invés, estaremos perante o longamente ansiado encontro da autora com o seu público leitor, consubstanciando-se aqui um desejo cumprido, um amor satisfeito… ou, ainda, um desejo e um amor que, cumpridos e satisfeitos, logo anseiam por outros voos, pelo desenrolar de pergaminhos, anos e anos acumulados em gavetas, à espreita da melhor ocasião para se darem a conhecer?...

cyberjornal, 6 Dezembro 2016

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!