Villa romana do Alto do Cidreira – que futuro?

AltoCidreira015ppPor: Guilherme Cardoso

e José d’Encarnação

 

Exactamente um ano após termos solicitado entrevista ao Executivo camarário para tentarmos definir uma solução para o sítio arqueológico do Alto do Cidreira, em Carrascal de Alvide, voltámos ao local, a fim de nos inteirarmos do estado em que se encontram as estruturas visíveis desta villa romana, classificada como «imóvel de interesse público» por força do decreto n.º 26-A/92, publicado na 1.ª série do Diário da República, n.º 126, de 1 de Junho de 1992.

 

 

 

 

 

 

 

AltoCidreiracasa15ppAs fotografias falam por si do estado de abandono a que o local está votado. Aproveita-se o espaço plano disponível para estacionamento e a Rua José Régio foi rasgada e alcatroada em plena área arqueológica, sem que os arqueólogos tivessem sido consultados, de forma a se proceder ao necessário acompanhamento arqueológico previsto na legislação em vigor.

 

Urge, pois, perguntar: que futuro?

 

 

Um pouco de história

 

A história dos antecedentes que levaram ao processo de classificação e à realização de sondagens em 1977, 1980, 1981 e 1982, encontra-se contada no Arquivo de Cascais 4 1982 9-27.

 

O que de mais fascinante detém a villa romana do Alto do Cidreira é, sem dúvida, a sua excelente localização, entre o mar e a serra, donde se desfruta um panorama ímpar. Por isso, uma família romana decidiu escolher o local, há dois mil anos, para implantar a sua mansão.

 

Conhecida a referência a esses vestígios desde a última década do século XIX, foi a sua localização identificada por Guilherme Cardoso, que aí dirigiu as referidas sondagens arqueológicas, com vista a delimitar-se a extensão das ruínas porventura ainda existentes e a determinar-se a sua real importância histórica.

 

Essas sondagens permitiram a descoberta das estruturas de uma rica casa de campo, que teria dois andares, banhos quentes, mosaicos policromados a pavimentar as principais divisões, uma ampla sala e todos os cómodos para requintada habitação.

 

A singularidade dos achados (a minimáscara do negro, o separador de tear, o dado de osso marcado, a enorme abundância de tesselas de mosaico, o relativo bom estado de conservação de algumas das estruturas, com muros de mais de 1 m de altura…); a grande pressão urbanística; e, de modo muito especial, a consciência de que, pela sua localização, se deveria pensar num projecto que preservasse as vistas e servisse a comunidade (numa zona desprovida de áreas de lazer e convívio) – foram os argumentos:

 

1º) para se perguntar à Câmara, imediatamente após a realização das sondagens (1982) e antes de se tomar uma decisão quanto ao prosseguimento (ou não) dos trabalhos arqueológicos, o que é que desejava propor para o sítio;

 

2º) para, atendendo à redobrada pressão urbanística, se propor a aprovação de uma ZEP alargada, que viabilizasse a realização de sondagens nos terrenos da envolvente e a elaboração pela Câmara – em consonância com os proprietários e os arqueólogos – de um plano de pormenor que salvaguardasse e valorizasse a villa e desse ordenamento ao local.

 

 

Tapar ou estruturar?

 

Na sua Reunião Ordinária de 2 de Outubro de 2006, a Câmara Municipal de Cascais seguiu esse parecer e deliberou «propor ao Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) a criação de uma Zona Especial de Protecção para a Villa Romana do Alto da Cidreira. Da mesma forma, a autarquia submeterá a esta entidade a aprovação do Estudo de Salvaguarda da área, classificada de Interesse Público.».

 

Todo esse processo, porém, se atrasou, e por carta, datada de 2008-02-09, de resposta ao documento GDCC/2007/75584; Ofº 057958, de 14 11’07, assinado pela então vereadora da Cultura, Dra. Ana Clara Justino, em que se nos perguntava que haveria a fazer, respondemos:

 

«Perante a indecisão camarária e a inoperância dos Serviços de Fiscalização, que nunca ousaram impedir a construção de edifícios na área de protecção e mesmo dentro do perímetro classificado, por várias vezes indicámos que, a continuar assim, o melhor era mesmo tapar as estruturas, para evitar mais degradações e, inclusive, para impedir que ali continuassem a ser depositados lixos domésticos das casas vizinhas.

 

Uma vez que – por mais célere que seja a negociação em curso no âmbito do Plano de Pormenor – ainda se prevêem alguns meses mais antes de se poder programar a continuação das intervenções com vista a uma eventual musealização do sítio, a nossa opinião é a de que se proceda quanto antes, sob nossa orientação e com a colaboração camarária, à cobertura das estruturas, consoante se fez em Miroiços e, também, em Freiria nas áreas mais sensíveis».

 

 

Em conclusão:

 

Nada se fez e a situação parece continuar num beco sem saída.

 

Por conseguinte, a sinalização das ruínas; a resolução dos casos pendentes de regularização das habitações construídas na área arqueológica; a união de esforços entre os moradores, a Junta de Freguesia e o Executivo Municipal no sentido de, em colaboração com os arqueólogos, se estudar a solução plausível para recuperação de um espaço que melhor possa servir a comunidade – constituem, em nosso entender, objectivos passíveis de se concretizar.

 

Assim o esperamos!

 

 

  • Legendas: - A estrutura central da casa romana.

  • - Vista de sul de duas das casas erguidas na área de protecção da villa: uma, imponente e habitada; a outra, embargada há mais de 30 anos.

 

Ver mais imagens: https://www.facebook.com/171996492857166/photos/a.823262227730586.1073742010.171996492857166/823262274397248/?type=3&theater

 

 

 

cyberjornal, 26 Janeiro 2015

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!