O fantasmagórico sonho de um rei romântico

Penaencarn2015Por: José d’Encarnação

 

Gostei de ver. Acompanhava, mais uma vez, familiares na visita ao Palácio da Pena, a 9 de Junho, e muito me congratulei com a multidão de visitantes, quer portugueses, quer, sobretudo, estrangeiros, que me apercebi serem de vários continentes.

 

 

 

 

 

 

Penaencarn2015 1Estava, de facto, um dia magnifico e o palácio vive, sem dúvida, do seu ímpar recheio e da invulgar majestade da sua construção altaneira, mas, de modo bem especial, do seu enquadramento.

Bem andou o rei D. Fernando II quando, em 1838, resolveu adquirir o vetusto e então devoluto convento dos Monges Jerónimos de Nossa Senhora da Pena, mandado erguer no topo da serra por um dos seus antecessores, el-rei Manuel I, em 1511. Recuperou-o em parte e, por volta de 1843, encarregou o arquitecto alemão Barão de Eschwege de proceder às ampliações que elevaram o edifício às proporções que hoje ostenta e nos maravilham. De resto, o facto de, aquando das obras de restauro levadas a efeito em 1994, se ter verificado que eram o rosa-velho e o ocre as cores originais, a opção foi a de essas cores se reporem, o que veio acrescentar relevo à já de per si fantasmagoria do conjunto.

Bem andou o rei D. Fernando II em dar asas ao sonho. Encastraram-se as paredes nas concavidades das rochas, como que a desafiar as poderosas muralhas do Castelo dos Mouros, vigilantes na colina fronteiriça.

Dir-se-ia que, ali, o tempo era outro, digno de ser saboreado longe das intrigas da Corte, alheio às cumplicidades da governação. Ali, o importante era viver, em contacto com a Natureza: o parque repleto dos verdes mais exóticos, ao mar ao fundo e, até, o Tejo e a Arrábida a perder de vista…

Passeamo-nos devagar pelos corredores. Aqui, um quarto de dormir; mais além, a grande sala de lustres pendentes, cenário ideal para mui pomposa recepção… Imaginamos o que seria a vida, então, por entre aquelas paredes, que beijos, que olhares, que preocupações também… Como, ao atentarmos nas expressões dos visitantes de agora, nos apeteceria adivinhar que sentimentos todo o cenário desperta, por exemplo, neste magote de japoneses, tão longe dos seus estão os modelos artísticos aqui patentes, a vida de que quotidianamente estes interiores foram palco e testemunhas.

A pausa na esplanada, as fotografias («Só mais este ângulo!...») constituem final imprescindível antes da hesitação da partida: retoma-se o pequeno autocarro ou desce-se a pé para melhor saborear a paisagem?

Sempre novo, sempre recheado de surpresas este Palácio da Pena!

 

 

 

Mais imagens:

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.930326267024181.1073742031.171996492857166&type=3&uploaded=7

 

 

cyberjornal, 28 Julho 2015

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!