Do Pinhão, um dia, parti…

livcintilacoesPor: José d’Encarnação

 

 

 

Que fazem os poetas? Adoptam, com maior frequência, a atitude ideal: tomam consciência da realidade, assumem-na e partem dela para uma reflexão.

 

 

 

 

 

 

 

 

Recostado na espreguiçadeira da piscina, as ondas pequenas a espreguiçarem-se, também elas, na praia alia em baixo, vejo quatro cargueiros parados na linha do horizonte. Situação corrente. Já ali estão há três dias. O técnico dirá: esperam vaga no porto de Lisboa; o Poeta, porém, é capaz de os pôr a ganhar fôlego para novas viagens, impregná-los de tédio pela bem escusada espera ou descobrir-lhes inveja da agilidade branca dos barquitos à vela que lhes fazem negaças perto, manobrados por aprendizes…

Confesso-me incapaz de escrever versos e tenho dificuldade em classificar de ‘poema’ um texto só porque formalmente se apresenta estruturado em versos, designadamente se desprovido de rima. Aceito, todavia, essa opção – pois, amiúde, dessa forma sintética a mensagem resulta mais eficaz que prolixo e mui erudito tratado.

Tenho presente o livro Cintilações, de Ana T. Freitas, edição de Apenas Livros (Abril de 2015, ISBN: 978-989-618-505-3, 116 páginas). No texto com se apresenta, fala dos livros que leu na infância e juventude; evoca os tempos da Biblioteca Itinerante da Gulbenkian (uma das iniciativas de Branquinho da Fonseca que nunca será de mais enaltecer). E suspeitamos que seguiu a carreira docente.

A partir de 2009, mercê do convívio com Jorge Castro – também ele acordado para estas lides poéticas passada a meia-idade e autor do prefácio do livro que se comentará a seguir –, reencontrou esse modo de se expressar. Tal como Jorge Castro fazia em Cascais as Noites com Poemas, iniciou Ana Freitas, com o maior êxito, a série mensal Um Poema na Vila, em Coruche, tertúlia donde saíram já os livros A Minha Rua e O Montado – Um Lugar Poético, cujas edições coordenou.

Significativa, a capa de Cintilações: a foto da estação ferroviária do Pinhão, da sempre magnífica Linha do Douro, em pleno Outono, quando essas encostas se vestem de dourados e castanhos: «… neste comboio, serpenteando montes, parti um dia para o mundo que se abria…». E pelo livro é, de facto, todo um mundo que se nos abre, frequentemente a verberá-lo, porque se desejaria bem melhor:

«assim vão as nossas vidas

flutuando em mares de números

poluídos

suportados pela palavra».

Essa, a observação; e vem depois o voto:

«a vida só pode ser vivida de braço dado

com a grandeza dos números e a humanidade das letras» (p. 43).

Palavras soltas, por vezes, como salpicos de água refrescantes: «vozes sons entoações expressões» (p. 60) – e imagina-se a ternura mágica da mãe a embalar o filhote…. Salpicos mesmo!

A noite de S. João no Porto, natural ensejo para saborosas quadras populares; mas lá vem o final atento, como nas fábulas de Esopo, numa desculpa ao santinho por não ser viável a esmola e no lamento:

«A crise serve para tudo

Sem um futuro em que invistas

Injustiça é mais injusta

Mas, amigo, não desistas!» (p. 41).

Os votos, aliás, sucedem-se, diante de um panorama que voluntariamente se oculta porque se auspicia bem diferente: «eu queria a minha escola no agora poético / que cada um corresse para ela na certeza do prazer» (p. 38).

Agrupados em duas partes («… aqui», «e além…»), estão datados os poemas: o mais antigo de 14.03.09 e de 24.04.2014, o mais recente. Trazem, por vezes, a indicação expressa do que os motivou: as ânsias da intervenção oftalmológica, o «1º mês de corte de salários na função pública», a D. Alice, de 81 anos, louletana que encontrou no Hospital de Santa Maria e que sabia falar em rima…

Só mui raramente há pontuação. As palavras (des)alinhadas obrigam a pausas inesperadas – que fazem pensar. E essa é, afinal, a nobre missão do Poeta!

 

 

 

cyberjornaç, 28 Julho 2015

Para inserir um comentário você precisa estar cadastrado!